Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Vento

por Cristina Nobre Soares, em 31.07.18

Quando chego ao fim da rua sopra uma rajada de vento. Uma mulher carregada com sacos em cada uma das mãos, baldeia-se por causa do joelho que lhe falha e quase que se desequilibra, arre, que o demónio me ia atirando ao chão. Pousa os sacos e leva as mãos, com mais gelhas do que as que tem na cara, à cintura. É danado este vento, diz-me, mas, vá que não é do suão, filho de uma égua, esse, que dá quebranto do malvado à gente. Sorrio. Não faça pouco, não faça pouco, que eu conheço muito boa gente a quem se meteu deste quebranto quente no corpo e nunca mais perdeu o mortiço nos olhos. É um malvado que murcha a gente por dentro como faz à erva. Só é bom para as bichas se porem a sair debaixo das pedras. Só para as bichas, diz, enquanto pega nos sacos e segue caminho.

 

(E eu era capaz de ficar uma mão-cheia de horas a ouvir falar este português de ouvir contar.)

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html