Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Histórias

por Cristina Nobre Soares, em 10.05.18

Enquanto passo a ferro uma blusa, que convém ficar ajeitada para amanhã, lembro-me da história que me contaram hoje, sobre alguém que fazia questão de deixar a mesa de Natal posta, durante a madrugada, para que assim quem já não estivesse entre eles, quem já tivesse morrido, pudesse cear também. Fico sempre estupidamente feliz quando encontro uma história destas, o desassombro do impossível comove-me. Pensar que os espíritos se podem consolar com bolo-rei e filhoses, sentados à mesa que também já foi deles, vale mais que mil páginas de literatura, cheia de genialidade que se esganiça em busca da glória imortal da frase perfeita. Pedi que me repetisse a história, como fazia com a minha mãe, que a repetia vezes sem conta até eu senti-la a ganhar corpo por detrás dos meus olhos. Reparo que tenho o ferro quente demais para o tecido fino da blusa, ainda a queimo. Lá fora, o sino tocou nove vezes.

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Imagem de perfil

De Anita a 10.05.2018 às 14:54

Gosto sempre muito das tuas histórias. Tão simples e tão belas.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html