Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Em linha recta

Nunca conheci quem tivesse levado porrada. Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

Em linha recta

Nunca conheci quem tivesse levado porrada. Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

Faz hoje 11 anos que comecei um blogue

Cristina Nobre Soares, 10.05.18

Faz hoje 11 anos que comecei o meu primeiro blogue. Chamava-se “O que é feito de si, Mrs Pankhurst?” O que começou por ser um blogue com pretensões libertário-feministas, depressa se tornou num blogue de histórias sobre mulheres. Na altura liam-me os meus irmãos, o meu primo Carlos e meia dúzia de amigos. Depois, um dia, apareceu por lá alguém que eu não conhecia, depois outro, mais outro. Cheguei ao fim do Verão e tinha não sei quantos seguidores (acho que não se chamavam assim). Por alguma razão fartei-me e fechei o blogue.

Voltei aos blogues depois da morte do meu pai, que a morte dos pais tem destas coisas, e nunca mais parei: “O Deserto do mundo”, “O come chocolates, pequena” e agora o “Em linha recta”. Sei que os blogues são olhados de lado, como fonte de produção de lixo, como uma coisa sem categoria. Sinceramente, estou-me nas tintas para isso. Escrever num blogue passou a fazer parte da minha rotina. As coisas que punha para dentro da gaveta passaram a estar online, qualquer pessoa (incluindo os meus irmãos e o meu primo Carlos) podia ler. E dar da sua justiça.

Conheci pessoas que ainda hoje me acompanham aqui. Como se de alguma forma fizéssemos um caminho juntas. Aprendi muito. Descobri blogues maravilhosos, de pessoas que escreviam muito bem, algumas tão bem quanto muita boa gente publicada. Apesar de ter tido alguns amargos de boca, com alguns comentários mais parvos (o que me levou a moderá-los), às vezes, no meio do ruído excessivo do Facebook, tenho saudades dos blogues. Não havia a dependência do like. E tenho ideia que havia menos remoques ressabiados. Havia muito comentário exagerado, superlativo, é verdade, mas também tive comentários que me comoveram, pela forma como as pessoas abriam a alma na caixa de comentários de alguém que nunca tinham visto na vida.

Faz hoje 11 anos que fiz umas das coisas mais espertas da minha vida: comecei um blogue.

26 comentários

Comentar post

Pág. 1/2