Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Em linha recta

Nunca conheci quem tivesse levado porrada. Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

Em linha recta

Nunca conheci quem tivesse levado porrada. Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

Às vezes sinto falta do tempo em que éramos apenas bem-educados

Cristina Nobre Soares, 02.04.18

Às vezes sinto falta do tempo em que éramos apenas bem-educados, cordiais uns com os outros. Quando não havia esta necessidade de sermos muito empáticos, de olharmos nos olhos, sem nunca fugir com a cara, de nos identificarmos muito, de sermos muito despidos, ou até mesmo nus, absolutamente familiares, conhecidos de há muito, mesmo que tenha sido só de agora. A distância inicial é condição necessária à aproximação. Sem essa distância (nem precisa de ser muito grande, e, por favor, não confundir com frieza, que é uma coisa muito diferente e muito triste) não temos como nos aproximar. É um espaço pequenino onde passa um tempo mais lento, muito nosso, que serve para observarmos, medirmos, escolhermos palavras. Para sentirmos o cheiro, o território. E vamo-nos chegando devagarinho, quase sem darmos por isso. Ou não. Ou simplesmente percebermos que não é para nós. Simplesmente vamos embora, seguimos caminho, sem desilusões ou outros cansaços.

Regresso

Cristina Nobre Soares, 01.04.18

Deito os olhos pelo campo de saramagos que se estende da janela do carro até a uma casa sem telhado, lá ao fundo, a miúda pergunta quanto tempo ainda demoramos, dou-lhe uma resposta vaga, também não sei, os plátanos esquálidos, tristes com os seus ramos nús, numa das curvas do caminho, as terras de casas de quatro águas a ladearem a estrada principal, uma família em fila indiana por lhe faltar o passeio, um campanário, um moto-cultivador com um velha de lenço sentada na caixa aberta, acena-me quando os ultrapassamos, dois ou três eucaliptais mistos com pinhal, abro vidro para lhes sentir o cheiro, a planície a enrugar-se com o cinzento que vai chegando do mar, quanto tempo falta? Estamos a chegar. Estamos sempre a chegar, mesmo quando parece que ainda  agora acabámos de partir.

Pág. 3/3