Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Vidro azul

por Cristina Nobre Soares, em 15.12.15

Embrulhávamos os enfeites que tinham vindo de lá em guardanapos de papel. Porque eram vidro, daquele vidro frágil de que são feitas as recordações. Quando, em Dezembro, os desembrulhávamos, às vezes encontrávamos apenas estilhaços. O meu pai encolhia os ombros resignado, e dizia, mais um. E os anos, contavam-se pelo número de cacos de vidro. Quando se partiu o último, que era azul, de um azul intenso, teriam passado quinze anos do retorno e o meu pai disse: Foi-se. As memórias, às vezes, também se vão assim.

(Dezembro, 2013)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html