Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Um post fofinho de Natal

por Cristina Nobre Soares, em 15.12.16

Cada vez mais me aborrece esta correria natalícia. Não tenho paciência, dá-me nervos. Bichas em todo o lado, gente aos magotes com uma urgência de comprar sem explicação. Em dar, dizem elas. Mas eu, como ex-consumista, me confesso: o dar tem costas largas. O comprar, aquele ter imediato, aquela posse cheia brilho, só porque toda a gente tem, é que é o cerne da questão. O comprar, por mais generoso que seja, é que nos vai preenchendo os pequenos vazios que teimamos em ignorar. Simplesmente por não termos tempo para olhar para eles com atenção. E não temos tempo, muitas vezes, porque já o gastámos a comprar. O engraçado é que depois vai tudo bater àquele lugar-comum, batidíssimo (por ser dito, e não por ser praticado), que a vida não se compra. Pois não, mas gasta-se.
Há uns anos eu não teria esta conversa. Há uns anos eu era daquelas que consumia brilho de Natal "made in China" em quantidades industriais. E ainda pedia para embrulhar com papel bonito. Se calhar para tapar o baço que trazia comigo. Que os vazios são muito baços, tão baços que a gente passa uma vida inteira sem dar por eles. Mas um dia percebes que já não estás a ir para nova e abres a pestana, resolves fazer aquela coisa das prioridades da vida, e vejam lá, os vazios preenchem-se e deixa de haver espaço para brilhos postiços. E percebes, também, que a única coisa que enche mesmo esses vazios é o tempo, que é estupidamente escasso e que passa num tirinho, raios o partam. A dada altura entra-nos pelos olhos adentro que o único presente que vale a pena ter é aquele que é feito de horas, minutos e que depois se torna em memórias. E toda a gente sabe que o Natal sem memórias é uma espécie de bacalhau sem couves, ou uma coisa que se aquece no microondas e que uma semana depois já ninguém se lembra. O Natal é como o resto da vidinha, senhores: vive-se. Não se embala em fábrica, muito menos se compra. Vá. Fica aqui o meu post fofinho de Natal. Cheiinho de lugares-comuns ensopados em calda de açúcar. Tinha de ser. Nem a coisa lá ia de outra maneira.

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Imagem de perfil

De Malik a 15.12.2016 às 12:20

... tinha de ser... e está muito bem!
Imagem de perfil

De Narciso Santos a 16.12.2016 às 10:59

O Tempo somos nós que o fazemos. A desculpa não tenho tempo, para mim não é aceitável. O tempo, o VIVER só depende de NÓS, somos nós quem o comanda. Se dizemos não temos tempo, não vivemos / sobrevivemos, quem falhou somos NÓS e não o coitado do tempo...

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html