Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Retornado

por Cristina Nobre Soares, em 09.12.16

Uma vez voltávamos de Sintra, no Cortina de volante ao contrário. O meu pai às vezes levava-nos lá ao fim-de-semana. À vinda apanhámos trânsito e a dada altura o carro de trás começou buzinar. Ultrapassou-nos, o vidro do pendura abriu-se e de lá de dentro alguém gritou: logo vi que eras um filho da puta de um retornado. Devias lá ter ficado com os pretos. Retornado. A palavra era dita com a raiva a separar as sílabas para garantir que era ouvida. Re-tor-na-do. A minha mãe, vendo os olhos do meu pai a ficarem vermelhos, disse-lhe, deixa lá, homem, não ligues. Não ligues. Que era o que ela também me dizia quando eu me queixava que havia, na escola, miúdos que diziam que eu devia voltar para a minha terra. Não ligues. Quando, no ciclo preparatório, metade da turma me deixou de falar porque contei uma anedota sobre o Samora Machel, és mesmo uma racista, uma retornada. Não ligues. Quando alguém, depois de me contar que o tio tinha morrido na guerra do Ultramar me disse, os retornados é que deviam ter morrido lá todos. Não ligues. Retornado não era bem um insulto, era uma palavra de ferida aberta. Que doía a quem a ouvia e a quem a dizia. Cicatrizou como muitas das coisas cicatrizam em Portugal, com silêncio e a não ligar. Mas engraçado como a própria palavra era um retorno em si. Um retornar ao que se queria esquecer. E se calhar era por isso que tinha tanto peso, que impedia que se tornasse uma palavra igual às outras, integrada na mesma língua. O outro carro afastou-se, a minha mãe disse mais uma vez, não ligues. Já era noite quando regressámos a casa. Se bem que nessa tarde tenho ideia que voltámos a retornar. Mas nunca mais não falámos sobre isso. Não ligámos.

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

De CSD a 09.12.2016 às 22:45

As coisas de que antes não se falava.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html