Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Os clichés dão-me nervos

por Cristina Nobre Soares, em 10.04.16

Há um cliché que diz que não devemos voltar ao sítio onde fomos felizes. Os clichés irritam-me. Dão-me nervos. Principalmente quando nos entram pelos olhos adentro. Mas se calhar é isso mesmo, não devemos voltar a esses tais sítios. Para mantermos intocáveis os idílios que construímos, em toda uma ficção original. Perfeitinha, escorreita. Mas só nossa. Os sítios ganham bolor nas paredes, ervas na calçada, ferrugem nos gradeamentos. E silêncio. Daquele silêncio feito de pó fininho que se entranha nas frinchas dos móveis. E as memórias não conseguem ganhar corpo nesses sítios. Tornam-se ossadas tristes, corpos raquíticos que nunca apanham sol. É isso, os clichés dão-me nervos. A vida, também. Que é o maior cliché de todos.

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Imagem de perfil

De Torcato a 11.04.2016 às 12:18

A vida é definitivamente o cliché mais irritante de todos. Até porque, na prática, acaba por conter todos os outros. Uma complexidão promotora de nervos, tal qual.
Boa reflexão, gostei bastante de ler.
Sem imagem de perfil

De Simão a 11.04.2016 às 22:14

Mas se formos criminosos, voltamos sempre ao local do crime, estás nos livros policiais todos, não há como escapar, ou então os autores falam por falar, mas eu acredito que os autores de livros policiais não são mentirosos, no entanto não acredito que a vida seja um cliché, ma não lhe estou a chamar mentirosa, era o que faltava...
Boa noite e assim...
Sem imagem de perfil

De maria madeira a 12.04.2016 às 20:48

Cristina,
Não faço a menor ideia se é um cliché ou não, mas falo por mim. Numa dada altura da minha vida vivi um amor e, no mês de Junho, todos os anos, íamos os dois passar uma semana a um sitio não muito conhecido num recanto de um Algarve daquele que não está na moda. Era uma casa de Turismo Rural muito charmosa, muito acolhedora, tranquila, perfeita para esquecer o ano de trabalho, perfeita para esquecer os dias que se fazem sempre a correr. Vai daí, um dia, cada um foi para seu lado, numa tentativa de rever o tal lugar voltei lá um fim-de-semana, ao mesmo sitio, sem ele, foi uma experiência muito triste, deprimente. arriscaria dizer. Duvido que volte a um sitio onde já fui feliz com alguém, é como matar as memórias boas, fica um qualquer sabor amargo. Algo fica destruído.

Deixo-lhe um beijinho. É sempre com um enorme gosto que leio os seus textos. Imaculados.
Imagem de perfil

De Cristina Nobre Soares a 12.04.2016 às 21:01

É isso, Maria. (Obrigada :) )
Imagem de perfil

De ó menina a 14.04.2016 às 11:17

As experiências são irrepetiveis independentemente do local. Podemos voltar a ser felizes, noutras circunstâncias, com outras pessoas (ou as mesmas), no mesmo local...

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html