Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


O pai-Estado

por Cristina Nobre Soares, em 25.08.17

Somos o país da intervenção estatal, da legislação. Se usam mal os pesticidas na agricultura, faz-se uma lei para não haver abusos. Se na restauração a rebaldaria é total em termos de higiene, faz-se uma lei para limparem o estabelecimento. Se continua a não haver respeito por quem tem deficiência, fazem-se leis para obrigar a respeitá-los. Se os partidos políticos continuam a ignorar o mérito das mulheres que neles participam, cria-se uma lei de quotas. Claro que têm de haver leis reguladoras. Acredito que o Estado tem a obrigação de proteger os seus cidadãos, daí muitas vezes achar que estas leis são um mal necessário para que a sociedade evolua, avance. Mas não deixo de ficar apreensiva a pensar que não há maneira de nos tornarmos um país crescidinho, capaz de distinguir o certo do errado sem a mãozinha castigadora do pai-estado. Um país onde, por exemplo, livros sexistas simplesmente não vendam, ou nem sequer faça sentido que sejam publicados, porque os pais sabem que comprá-los só perpetua a descriminação a que são sujeitas as suas filhas. Um país onde não tivesse de haver um “ralhete” do estado a uma editora para retirar uma edição cretina e dessa forma ensinar os seus cidadãos o que comprar e como educar os seus filhos. Isso sim seria um país crescidinho.

(E escusam de vir com tangas e calhoadas para os comentários, porque se há mulher que luta contra a discriminação de género e sem ser só nas redes sociais, mesmo a dar o litro e a cara na vida real, sou eu.)

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De maria madeira a 26.08.2017 às 19:08

Ámen, Cristina.
Que belo texto e, sim, tem toda a razão em tudo o que escreveu. Eu não mudaria nem a pontinha de uma vírgula.

Aceite um beijinho :)
Imagem de perfil

De Cristina Nobre Soares a 26.08.2017 às 19:10

Obrigada, Maria. :)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html