Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


O nome por baixo

por Cristina Nobre Soares, em 06.07.17

Vivo do que escrevo. Seja essa escrita uma escrita mais funcional, pensada para a comunicação das empresas, seja essa escrita mais voltada para as artes. Se a primeira é transparente em termos de remuneração, uso e objectivos, a segunda, infelizmente, nem sempre.Por isso, para (sobre)viver, preciso do chamado nome por baixo. Algo que diga fui eu quem escreveu isto. O meu nome, os meus créditos, são a minha montra, a minha cara. Se o meu nome não estiver lá, não for dito, for esquecido, eu fico órfã do que escrevo. Não é o texto que fica órfão. Sou eu. Esta coisa do nome não é uma tentação do ego. Não é vaidade. É sobrevivência. É o que eu tenho mais parecido com um recibo de salário. Mas, ao contrário do recibo, o nome de quem escreve nem sempre vem escarrapachado e fica refém, por vezes, da boa vontade de terceiros. De se lembrarem. De quererem. Vivo do que escrevo e não da esmola da consideração dos outros. Pena que haja quem não queira dar por isso.

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Imagem de perfil

De Maribel Maia a 06.07.2017 às 11:18

A arte, seja qual for, nem sempre é valorizada... Para mim escrever é uma forma de arte...

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html