Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


O meu pé de laranja lima

por Cristina Nobre Soares, em 13.08.15

lima.jpg

 

Não me consigo lembrar de quantos anos tinha quando o li pela primeira vez. Lembro-me que chorei quando morreu o português, que não sabia o que era uma laranja lima, e que tanto a mãe do Zezé , como a irmã mais velha, me pareciam ser pessoas muito más. Reli-o. A mãe do Zezé afinal é apenas uma mulher com aquele cansaço baço  da vida a vergar-lhe os ombros. As privações envelhecem, enraivecem, tiram o viço, a vontade de tudo. Os dias contam-se, não se planeiam, que os planos e os sonhos são luxos de quem tem futuro. Engraçado como o que lemos também cresce connosco. Emocionei-me de novo, que a escrita do José Mauro de Vasconcelos tem destas coisas. E hoje, que já sei o que é uma laranja lima, que sei o que são maus bocados, tive vontade de dizer ao Zezé: Dá lá uma folguinha à tua mãe, que ela precisa.

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De inconfessável a 22.08.2015 às 19:14

Inesquecível. Chorei sim, muito. O que mais me impressionou foi o pai e as tareias dadas a torto e a direito.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html