Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Não, isto da maternidade, nem sempre é um mar de rosas.

por Cristina Nobre Soares, em 23.01.15

A capacidade que nós, mulheres, temos de gerar vida no nosso próprio corpo é um milagre. Mas maior milagre do que esse é a nossa própria existência. E essa, não pode depender do género com que nascemos.  Ao pensar nisto lembrei-me de mim há mais de dez anos atrás, depois de ter sido mãe.  E esta história não é sobre epifanias, nem transbordares de alegria. É mais uma vez uma história de crescimento e de perda de medo de ser diferente.  Nela mora uma  mulher de trinta anos que se descobriu uma fêmea menos apta e que cujo útero, não só pariu uma cria maravilhosa, como também, as suas próprias imperfeições.  Uma mulher que, ao contrário do que ouvia das outras,  para quem a maternidade era um instinto básico, sem qualquer tipo de sombras, teve de construir esse mesmo instinto de fora  para dentro. Não foram dias fáceis. Lembro-me que durante meses, não havia manhã em que não me fechasse na casa de banho, a chorar, para me tentar esvaziar da culpa imensa de não conseguir abraçar essa imensa dádiva da maternidade. Lembro-me das  pessoas me dizerem, ao olharem para o meu emagrecimento a olhos vistos, “nem parece que tiveste um filho”. O que elas não sabiam é que o meu corpo mirrava, secava, nesse duro esvaziar de emoções.  Lembro-me que me angustiava conviver com outras mães, por não ter nada para dizer. Limitava-me a imitá-las numa mímica violenta e crudelíssima para comigo. Deixei de escrever por ter medo do que sentia. Deixei de ser eu, na esperança desesperada ser como as outras, a quem tudo parecia ser tão fácil. Descobri depois que não era bem assim. Que havia criaturas, mulheres, que tinham sentido dias tão cinzentos como os meus, bem fora da fronteira do "suposto". Mas essas mulheres  também não falavam, quanto muito algumas palavras ditas a meia voz, com medo dos julgamentos e certezas dos outros. Sempre o medo.  E foi isso que me levou a escrever este texto. O perder o medo de dizer  que eu não vivi nenhum idílio maternal.  Que a beleza do processo mora no crescimento que fiz junto da minha filha. Que aprendi a andar com ela. Aprendi a brincar. A dar colo.  A não ter vergonha de chorar quando caía. Que a maternidade é o mais maravilhoso juntar de letras,  principalmente para quem, como eu, era uma analfabeta maternal.  E era esta a história que vos queria contar. Agora, a minha filha está a chamar-me para irmos ver mais um episódio da Violetta. E ao enroscar-me com ela no sofá por debaixo da manta, ao sentir-lhe aquele cheiro de cria, ao rirmos-nos com gosto, vejo que fizemos as duas um bom trabalho. E penso: Sobrevivemos. Que é o mais humano dos confortos.

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Patrícia a 24.01.2015 às 13:05

Não é para te servir de consolo, nem para que te sintas acompanhada, mas eu faço parte deste grupo de mulheres sem instinto maternal congénito: daquelas que não têm a mínima saudade dos tempos de gravidez nem da famosa barriga que tantas outras lembram com nostalgia. Os meus dois filhos é que fizeram a mãe que há em mim vir ao de cima. E acho que tal como tu até me estou a safar bem.
Parabéns pelo texto.
Patrícia
Imagem de perfil

De Cristina Nobre Soares a 24.01.2015 às 13:54

Isso, Patrícia. É isso mesmo: foi a minha filha quem me tornou na mãe que sou :)
Sem imagem de perfil

De Ceridwen a 26.01.2015 às 21:36

Recomendo-te o livro da Badinter: O amor Incerto: História do Amor Maternal.

http://www.wook.pt/ficha/o-amor-incerto/a/id/81550
Imagem de perfil

De Cristina Nobre Soares a 26.01.2015 às 22:01

Obrigada :) Vou "investigar"

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html