Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Era uma tília

por Cristina Nobre Soares, em 29.06.16

Ontem, lembrei-me que há mais de vinte anos a Sara ligou-me a contar que tinhas tido um acidente de carro no Dafundo. Contra um eléctrico. Lembro-me do silêncio que ela fez antes de me dizer: já não havia nada a fazer quando chegou ao hospital. Evitamos conjugar o verbo morrer para não morrermos também. Eu continuei em silêncio. Nunca sabemos o que dizer quando nos contam que alguém morreu. Porque tudo soa a supérfluo, a postiço. Também nunca sabemos o que dizer quando queremos pedir uma desculpa tardia, porque as desculpas pedem-se a quente. As tardias, são cobardes, requentadas, sem sentido, e  enquanto ela falava do outro lado do telefone, eu lembrar-me de ti, a perguntares-me depois do beijo desajeitado, que árvore é esta? Não sei, disse-te eu, também não interessa, nunca nada interessa porque achamos que não vamos precisar de lembrar, a Sara a falar do outro lado e eu calada, até que comentou, então, não dizes nada? E eu respondi com um fio de voz, lembrei-me que nunca lhe pedi desculpa.

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

De claudia de sousa dias a 07.07.2016 às 20:53

Um abraço. Cristina.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html