Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Dos espíritos

por Cristina Nobre Soares, em 18.01.18

 

Resolvo terminar o trabalho por hoje. Foi um dia produtivo, mas também cansativo. Olho pela janela. O fim de tarde enevoou. As árvores nuas em contra luz ganham um contorno de espíritos. De espíritos, não de fantasmas. Quando era criança tinha muito medo de fantasmas. A Patrícia contava-me histórias arrepiantes de mortos e almas penadas só para me assustar. Eu ficava aterrorizada e, à noite, não conseguia a adormecer. Todos os sons da casa ganhavam corpo e medo. Só o vulto das árvores da praceta, por detrás do cortinado, me tranquilizava. Lembrava-me de uma história que tinha lido, uma lenda índia norte-americana, que contava que as árvores eram grandes espíritos que olhavam pelos homens. Elas já cá estavam quando chegámos e olham por nós. Acreditar nisso fazia-me adormecer. Contei-a à minha filha quando ela era pequena. E contei-lhe das sequóias da América do Norte, que dizem que alguma são tão grandes e tão velhas, que se consegue ouvir a água a correr-lhes pelos vasos. Como se tivessem um coração por dentro. Como se fossem velhos espíritos. As histórias, mesmo as mais improváveis, serão sempre a melhor forma de enfrentarmos os medos.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html