Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Da Pedreira dos Húngaros ao Restelo

por Cristina Nobre Soares, em 07.05.16

 

Sou filha de uma mulher com a quarta classe e de um homem com o antigo curso comercial. Sou filha de duas pessoas que, lamentando não terem podido estudar mais, me disseram sempre, tens de estudar para ires mais além. Nunca houve dinheiro para me mandar para uma escola privada. Nem acho que isso alguma vez lhes tivesse passado pela cabeça. Por isso, fiz todo o meu percurso escolar em escolas públicas. Nelas conheci professores que me marcaram para a vida toda e fiz amigos de todos os estratos sociais. Desde amigos que viviam no Restelo, a amigos que viviam na Pedreira dos Húngaros. A diversidade de pessoas com quem me cruzei na escola pública fez de mim a pessoa que sou hoje: uma lírica que acredita que a única coisa que deve fazer a diferença na progressão social é o mérito. Antes que se abespinhem, eu, sei que infelizmente, não é. Reparem que usei o verbo dever. E enquanto o usarmos, é sinal que ainda acreditamos que o que está mal pode e deve (lá está) ser mudado. Adiante. Acontece que esta coisa do mérito só resulta se tivermos diversidade. Caso contrário, estamos a falar de bolhas sociais, tão frágeis que rebentam à primeira coisa que corra mal.

A escola pública, mesmo com todas as suas falhas educativas, mesmo com toda a urgência que tem em se adaptar a um mundo muito diferente do industrial do princípio do século XX, tem um mérito incontornável: é um espaço-tempo realmente democrático. Um sitio onde a filha do contabilista de classe média é igual ao puto da Pedreira dos Húngaros e igual ao menino fino do Restelo. Se a escola pública precisa de ser melhorada? Claro que sim. Precisa de investimento a sério para que possam ser dadas condições e meios aos professores (que são a parte mais importante da coisa). Precisa que se invista em áreas educativas como a arte. Precisa que se invista em infraestruturas e equipamentos. Para que se torne melhor, numa escola que cumpra o seu papel social. Se tenho alguma coisa contra as escolas privadas? Não, de todo. A maçada, aqui, é a forma como é investido o dinheiro dos contribuintes (tom do  Restelo). Porque a cena, meus, é que o estado somos nós (tom da Pedreira dos Húngaros).

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Imagem de perfil

De Maria Araújo a 08.05.2016 às 19:35


Uma bela analogia meninos do Restelo, putos do Pedreira dos Húngaros, escola privada, escola pública.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html