Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Considerações da minha filha, ao pequeno-almoço.

por Cristina Nobre Soares, em 01.08.15

Reparo que ela está perder os traços de criança. Não sei bem de que forma, mas o rosto alterou-se um pouco, o olhar também. Pergunta-me se lhe posso dar o lenço azul e verde quando já não o quiser e aproveita para me avisar que estou despenteada. Passo os dedos pelo cabelo e ela ri-se, ficou na mesma, mãe. O microondas apita, tiro-lhe a caneca do leite, digo-lhe que depois não se esqueça de lavar os dentes, achas que eu vou fazer estas mesmas coisas aos meus filhos? Pergunta-me. Eu digo-lhe que sim, que somos todos muito iguais nos hábitos que temos. A avó fazia-te as mesmas coisas? Fecho a porta do microondas. A avó aquecia-me o leite no fervedor. Ela pega na caneca com as duas mãos. Pois, eu esqueço-me que tu és de outro tempo. Olho-a. O tempo é sem dúvida uma criatura que se gosta de fazer notada.

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

De mariata Teresa a 01.08.2015 às 22:25

O tempo dá e tira. O tempo nasce criança e morre velho. O tempo muda e recria para depois ficar só tempo.
Um belo pedaço de escrita.
MT

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html