Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Barricadas

por Cristina Nobre Soares, em 17.01.18

Uma vez, a propósito de um caso de uma mulher da vizinhança, que, após anos a levar pancada do marido, tinha saído de casa com os filhos e feito queixa na polícia, alguém disse: sempre se soube que ele lhe batia e agora é que anda toda a gente a falar nisto. Antes ninguém fez nada. Fingiam que não viam. E era verdade. Até a mulher dar o grito do Ipiranga, toda a gente fingia que não via, cumprimentavam o homem com se nada fosse. E mesmo sabendo que as sessões de pancada aconteciam sempre que ele bebia, nunca este homem terá bebido sem a companhia dos “amigos do costume”. Às vezes, falava-se por detrás, nas costas, coitada, a cruz que aquela mulher tem, coitada. Mas não passava disso. Quando a mulher saiu de casa, aí sim, soube-se dos podres todos, com todos os detalhes sórdidos. O sórdido que todo a gente conhecia, mas sobre o qual ninguém dizia nada. Ninguém queria chatices. Até ao dia em que a mulher resolveu mudar as coisas. E, já se sabe, à conta deste caso, mais um ou outro vieram a lume. Há coragens que só se ganham a quente. E também há vinganças que só acontecem à boleia. Aliás, as vinganças gostam muito de aproveitar a sombra das revoluções.

Porque as revoluções são assim. Há sempre 2 tipos de revolucionários: os que abrem os olhos quando ainda dói e lutam para que as coisas mudem, custe o que custar e os que se calam e só se manifestam depois da revolução estar feita. Os que só têm voz na turbamulta. Os que no dia antes da revolução ainda dizem, “fala mais baixo, que as paredes têm ouvidos” e que no dia seguinte participam em manifestações libertárias. Hipócritas? Talvez. Eu acredito mais em pessoas com medo e com alguma coisa a perder. Que constituem cerca de 95% da humanidade. Depois também há os oportunistas, os que aproveitam as revoluções para resolver pendências pessoais e vingançazinhas. E estes oportunistas muitas vezes acabam por pôr em causa a justiça de uma revolução. E novas vítimas se fazem. Estes oportunistas também surgem porque as revoluções têm um terreno muito fértil para que eles cresçam: as barricadas. Tu ou és ou não és dos nossos. Dos nossos, nunca de todos. Sendo que os nossos são sempre os bons. Obviamente. As revoluções sofrem da tentação crónica da tomada de partidos. O meio-termo nunca foi muito revolucionário, infelizmente. Aliás o meio-termo acaba sempre por apanhar com uma bala perdida em tempos de revolução. E é pena, porque o meio-termo costuma ser o gajo mais lúcido do processo. É aquele tipo que vê as coisas como elas são dos dois lados. As vantagens e os perigos. É o gajo que no bairro é capaz de dar uma ajuda à mulher que apanhava pancada, mas que também não apedreja todos os outros que apenas levantam ligeiramente a voz. É o gajo que perante os apedrejamentos diz, cautela, qualquer dia qualquer um leva com um calhau e, pior, qualquer dia um caso destes torna-se banal. Mas também é o gajo que diz, ainda bem que a mulher deu o grito do Ipiranga e ainda bem que à conta da coragem dela houve outras que também ganharam coragem, isto assim é capaz de mudar. Mas ninguém quer saber destes gajos de consenso. As barricadas são mais atraentes, trazem-nos mais comparsas. Mais "nossos" a quem pertencemos. Mas também trazem feridas. Que podem demorar muitas décadas a passar. Quando passam. Há cicatrizes que, de tão fundas, doem sempre que o tempo muda. 
Com o #metoo será a mesma coisa.

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

De maria madeira a 17.01.2018 às 22:01

Eu que normalmente até consigo escrever o que penso sobre os textos, desta vez não me sai coisa alguma, nada, o que, neste caso, é muito bom. Excelente texto, Cristina, e ó de dá que pensar sobre muitas passagens que por aqui existem.

Tenha uma boa noite :)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html