Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


As fotografias

por Cristina Nobre Soares, em 11.02.17

As fotografias digitais não são bem fotografias. Porque as fotografias, aquelas em papel lustroso, guardam-se em caixas, desordenadas, muitas vezes sem a data escrita no verso. Para nos pormos a adivinhar. Isto foi onde? Lembras-te ? As fotografias digitais são ficheiros que ficam arrumadinhos num canto do disco, ao lado do Excel das contas do mês. Não têm cantos dobrados, nem vincos. Logo nunca poderão ser poesia, nem outro tipo de lamechice qualquer. Não ficamos com elas nas mãos, a dizer, céus, isto foi há tanto tempo. Nunca mais vi o não-sei-quantos. As fotografias digitais passam-se depressa, tão depressa que não dá tempo para lembrar nada. E temos muitas iguais umas às outras. É para escolheremos a melhor, dizemos. Não escolhemos nada. Nas fotografias em papel ficamos com apenas com aquela, desfocada e que apanhou luz no rolo. E dizemos, o não-sei-quantos não tinha jeitinho nenhum para tirar fotografias. Mas não faz mal. Porque nas fotografias em papel estamos sempre bem, mesmo quando a fazer caretas. Não temos outra. Foi aquela e pronto. Tipo a vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)


10 comentários

Imagem de perfil

De The Travellight World a 11.02.2017 às 10:42

É bem verdade...Que saudades eu tenho das fotografias em papel.
Às vezes ainda mando imprimr umas😊
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 12.02.2017 às 15:43


" aquelas em papel lustroso, guardam-se em caixas, desordenadas, muitas vezes sem a data escrita no verso. "

Sem dúvida, e tenho umas quantas guardadas em caixas de cartão.
Por vezes, sobretudo as de família, mando-as imprimir para ficarem comigo, e fazerem parte das minhas recordações.

Sem imagem de perfil

De Miguel a 13.02.2017 às 09:55

É como os blogs também qualquer pessoa escreve qualquer treta e acha-se jornalista
Imagem de perfil

De Fátima Bento a 14.02.2017 às 09:07

O romantismo das fotos em papel... o esperar que o rolo acabasse para o levar ao fotógrafo para que as revelasse e passasse a papel. O tempo que isso levava, aadrenalina, as borboletas no estômago.

Eu até já vibro com as instax, que são momentos capturados para perdurarem...50 anos no maximo (pelo menos as polaroid) tenho algumas, que adoro cada uma, e caixas das outras, 35mm...

Do que me foste lembrar...

B'jinhos
Imagem de perfil

De João Freitas Farinha a 14.02.2017 às 09:11

Podes sempre tirar a foto digital. Chegar a casa. Imprimir. Limpar oc artão. Feito ...
Sem imagem de perfil

De gato riscado a 14.02.2017 às 09:44

Nas digitais isso também pode acontecer, também as podemos rever, e podemos ter acesso à data, se o entendermos. E também há as mal tiradas, se as quisermos guardar.
Há contudo uma diferença, a do papel, se quisermos podemos levá-la para qualquer lado, como uma recordação presente.
Que fica sempre, aquela.
Imagem de perfil

De Miúda Opinativa a 14.02.2017 às 10:17

Uau! Adorei o texto, porque acho que é mesmo verdade.
Eu tenho imensas fotos no computador, claro, e de vez em quando revisito-as. E tenho esse pensamento de "oh, porque é que nós nos chateámos mesmo?" ou "éramos tão novos e tão cromos nesta altura...". Mas a verdade é que passar por 200 fotografias carregando numa tecla é completamente diferente de descolar fotografias umas das outras, de cheirar aquele papel, de passar os dedos nas nossas caras... Estou uma saudosista.
Imagem de perfil

De m-M a 14.02.2017 às 12:59

Perfeito!

Por essas e por outras, raramente imprimo as digitais.
Deixo-as tornarem-se memórias. Não as visito muito.

Beijinho,
Imagem de perfil

De Jorge Matos a 14.02.2017 às 13:06

Na realidade não há mesmo nada que se compare com a fotografia analógica. Aquela que alguns denominam como fotografar com filme.
Então se tiverem hipótese de revelar os próprios filmes, e ver surgir a imagem, dando-lhe o toque final de exposição e contrastes, é arte.
Fotografo desde 1968 sendo a minha favorita a chamada 'preto e branco'.
Mantenho em perfeito funcionamento uma velhina Asahi Pentax de 1972 que ainda hoje é a minha companheira vá para onde fôr, e parece que tempo não passou por ela, tal o 'amor' que lhe tenho.
Tal como a moda do CD deu cabo do vinil, que entretanto se está agora a vingar, talvez a moda do digital tenha igualmente a sua vingança servida fria um destes dias.
Sem imagem de perfil

De Pedro Rebelo a 14.02.2017 às 15:11

Ora bem... Sim. De alguma forma relacionado, uma pequena reflexão que fiz sobre o paratexto do digital... Ora dá lá uma olhada. http://www.browserd.com/2016/08/24/o-paratexto-na-imagem/

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html