Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Ainda acerca da leitura do tal livro

por Cristina Nobre Soares, em 18.08.15

 

Num mesmo parágrafo, longo, a narradora usa fragor, fremente e inculcada. A página estreita-se e a sua voz esganiça-se com trejeitos de boca. E eu lembro-me de uma tia minha que falava assim, sentada de costas muitas direitas, cujo cabelo era enrolado semanalmente numa banana irrepreensível. Bebia chá por umas chávenas de porcelana muito fina e não comia, debicava. Fazia colecções de tudo, que exibia em vitrinas que iluminavam um corredor estreito, onde uma imitação de tapete persa abafava o ranger das tábuas à nossa passagem. Meninas, não corram, dizia ela muito direita, mas sem nunca se zangar, que isso, decerto não lhe ficaria bem. E nós tentávamos correr em bicos de pés. Ouvia-se na mesma. Volto ao livro, mas continuo a ouvir a voz esganiçada da minha tia ao fundo do corredor. Descalço os sapatos. Talvez assim possa ler sossegada.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html