Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A condenação da memória.

por Cristina Nobre Soares, em 14.09.15

Sempre que mudo de fotografia de perfil acontecem duas coisas: tenho uma quantidade de likes abismal relativamente aos meus textos, o que me leva a pensar que devo ser  melhor a sorrir do que a escrever,  e um ou dois reparos por parte de almas mais atentas sobre a necessidade de edição dos meus pés de galinha.  E eu, como em muitas coisas  na vida, fico  a pensar. Que somos criaturas que temem a memória na proporção inversa ao fascínio que têm pela ilusão. Lembro-me de ser miúda e ficar a suster a respiração quando o ilusionista serrava a assistente ao meio. É tudo a fingir, diziam-me os adultos, para me tranquilizar. E eu sabia que era, mas metade da piada daquilo era eu  fingir que aquilo era magia, porque assim a tornava possível. E cedo percebi que há mentiras que nos fazem tremendamente felizes. Parecermos dez anos mais novos numa fotografia, depois de a editarmos no Photoshop, é uma delas. Mas por cada linha, cada ruga que apagamos, há uma memória que vai atrás. Um preço um pouco elevado, talvez, a pagar por esta ilusão. O senado romano aplicava a damnatio memoriae, a condenação da memória, aos traidores e aos que tivessem desonrado Roma. Esta consistia na eliminação do passado dessa pessoa, como se nunca tivesse existido. A censura de Estaline ficou conhecida por fazer o mesmo, chegando mesmo a apagar, de fotografias, o rosto de membros dissidentes do partido. Se apagares, se eliminares, se não falares é porque não existiu, não aconteceu. Porque mesmo que saibas que é uma ilusão, com sorte um dia acreditas no próprio truque. Eu prefiro lembrar, aliás a coisa mais preciosa que tenho é a memória, sem a qual não escreveria. Eu prefiro lembrar por mais que me doa ver a passagem do tempo no meu rosto. Lembrar é sempre um exorcismo. Seja ele pessoal ou social. Mas vão por mim, que a memória é única magia realmente honesta que temos. Feita de oxidação, de caminho, de rugas, erros, vergonhas. Mas sem ela seremos apenas corpos estranhos a vaguear no espaço-tempo da ilusão dos outros.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

GA



google-site-verification: googledeb34756365df053.html